Nova York: uma cidade para todos os gostos

Ela não dorme, não para: Nova York é uma cidade que não envelhece, que está sempre se renovando. Quem vai conhecê-la se rende a seus encantos e não se contenta com uma só visita, sempre quer mais. E, por mais que se caminhe, circule, há sempre algum novo programa ou atração diferente para conhecer.

A cidade, que recebe pessoas do mundo inteiro, é considerada um dos locais com maior diversidade linguística do planeta. Lá, são falados cerca de 200 idiomas em seus cinco distritos – Manhattan, Brooklyn, Queens, Bronx e Staten Island, sendo Manhattan, sem dúvida, o mais famoso.

Entretanto, além das atrações tradicionais, vale a pena aproveitar a gigantesca e segura rede metropolitana de Nova York, o famoso Subway, para conhecer os outros distritos e, assim, vivenciar experiências que mostrem ainda mais a pluralidade que faz de Nova York a cidade mais cosmopolita do mundo.

O outro lado do Rio East

Uma ótima pedida é visitar o Queens, um exemplo de multiculturalidade. E é no cotidiano, nas ruas, nos cafés, que se pode ouvir uma diversidade de sotaques, o que dá um charme diferenciado ao local.

Astoria, um bairro situado ao norte do Queens, cujas ruas tranquilas parecem ignorar o ritmo frenético de Nova York, oferece uma variedade de pequenas lojas, padarias e mercados das mais diversas etnias. Em uma de suas ruas mais famosas, a Steinway Street, nos restaurantes com seus letreiros luminosos, o visitante pode desfrutar da gastronomia turca, latina e, principalmente grega, e também cervejarias artesanais, um must do lugar.

Para os apaixonados por cinema, a dica é conhecer o Museu da Imagem e Movimento, com 130 mil itens que contam a história do cinema e incluem objetos de sets das gravações e figurinos de produções famosas de Hollywood. Alguns deles marcaram época, como a boneca assustadora utilizada para representar a garota possuída no filme “O exorcista”, de 1973.

Outra atração do Queens são os seus parques. O Gantry Plaza, por exemplo, é um espaço verde super bem cuidado, distribuído em uma grande área. Com boa infraestrutura, como brinquedos e atrações para os pequenos, pode ser uma ótima opção para um programa em família. Dali é possível se deleitar com a vista da ilha de Manhattan, o que vai garantir excelentes foto.

Local também interessante é o Flushing Meadows Corona Park. Maior parque do Queens, seu ícone é o Unisphere, um globo terrestre de aço de cerca de 42 metros de altura, construído em 1964 para uma feira mundial. No verão, o chafariz é ligado, dando um toque especial ao monumento.

O local também abriga estádios esportivos – o campeonato de tênis US Open acontece lá – e o Museu do Queens, cuja cereja do bolo é uma maquete de New York, exposta em uma área de cerca de 800 metros quadrados. A maquete só reforça a grandeza e a beleza de uma cidade que seduz todo e qualquer visitante.

Cruzando a ponte, descobrindo o Brooklyn

É só atravessar a ponte que liga Manhattan ao Brooklyn, a famosa Brooklyn Bridge, para descobrir que essa região tem muito a oferecer.

A ponte em si já é uma atração, pelo seu charme e valor histórico. Construída no século XIX sobre o Rio East, foi a primeira estrutura suspensa do mundo. Com menos de 2 quilômetros de extensão, é um trajeto interessante para ser feito a pé – a passarela para pedestres fica acima das faixas onde trafegam os carros –, a fim de curtir a belíssima vista da cidade, incluindo a Estátua da Liberdade.

Do outro lado, um programa praticamente obrigatório é conhecer o Brooklyn Bridge Park, uma área verde que conta com espaço para piqueniques e para a prática de esportes, jardins exuberantes e um lindo carrossel, além de proporcionar passeios à beira do rio e uma visão espetacular da Ilha de Manhattan. O turista pode ainda aproveitar os muitos cafés que tem por ali ou se deliciar com os sorvetes da tradicional fábrica Brooklyn Ice Cream Factory.

Explorando mais o distrito, uma visita ao Propesct Park, um parque público com 237 hectares, no coração do Brooklyn, e com atrações como o ZooPark – com temática especial para crianças – e o LeFrak Center e seu rinque de patinação no gelo.

Perto dali, outros pontos turísticos que merecem uma visita são a Biblioteca Pública, o espetacular Museu do Brooklyn, considerado o segundo maior da cidade e um dos maiores dos Estados Unidos, e o Jardim Botânico, área de 21 hectares, com jardim japonês e Festival das Cerejeiras anual.

Bem ao lado está a Grand Plaza Army com seu Arco Memorial aos heróis da Guerra Civil americana. Outro ponto imperdível no Brooklyn é Coney Island, com seu famoso calçadão à beira-mar (Boardwalk) e suas diversas atrações – entre elas, o Luna Park, famoso por suas montanhas–russas, e o New York Aquarium.

E, last but not least, um imperdível tour na Brooklyn Brewery, cervejaria super tradicional e que abre suas portas diariamente para visitas guiadas. E no final ainda se pode saborear as deliciosas cervejas ali fabricadas e comprar umas lembrancinhas na loja da fábrica.

Os ícones imperdíveis da Big Apple

Manhattan, a queridinha do cineasta Woody Allen, foi fundada em 1683 e é o distrito mais antigo de Nova York. Concentra a maioria dos pontos turísticos, já considerados clássicos e imperdíveis, principalmente para aqueles que vão à cidade pela primeira vez.

Entram nesse rol o Empire State Building, na Quinta Avenida, que com dois observatórios, um no 86º andar e outro no 102º, garante uma vista panorâmica e fotos lindas.

Outro passeio obrigatório é caminhar pela Times Square, com seus letreiros coloridos e sua enorme variedade de lojas e restaurantes. Nessa mesma região, o turista pode aproveitar e assistir a alguns dos espetáculos mais tradicionais em cartaz nos teatros da Broadway: é impossível não se encantar com as belas produções e cenários dos mais famosos espetáculos teatrais do mundo.

Manhattan conta, ainda, com dezenas de museus e centro culturais. Todos valem uma visita, mas merecem destaque o MoMA (Museu de Arte Moderna), o Museu de História Natural, o Salomon R. Guggenheim e o mundialmente famoso MET (Metropolitan Museum of Art).

Este último, inaugurado em 1872, está entre os dez mais visitados do mundo. Localizado na Quinta Avenida, na região conhecida como Museum Mile (um perímetro bem pequeno que abriga 10 importantes museus da cidade), é impossível não se deslumbrar com o seu acervo, que conta com uma coleção incrível de 2 milhões de itens que remetem a mais de 5.000 anos de história da arte.

Os parques também não podem ficar de fora desse programa e proporcionam um belo contraste com os imensos arranha-céus. O principal deles é o Central Park, tão presente em filmes e seriados e encantador em qualquer época do ano. É imperdível e oferece muitas atrações.

Outras referências são o Riverside Park, o Washington Square Park e o Hudson River Park.

A nova sensação, entretanto, é o High Line Park, por representar uma inovação em termos de proposta urbanística. É um parque linear, construído em uma linha férrea abandonada, e fica a oito metros de altura.

Com extensão de 2,5 quilômetros, vai da 12th St. até a 34th St. e atravessa o super descolado Meatpacking District, formado por bairros pouco conhecidos dos turistas, como Chelsea – que abriga famosas galerias de arte, a conhecida cervejaria The Standard Biergarten e o Chelsea Marktplace, que faz do passeio um programa inusitado.

Além dos jardins, durante o percurso há bancos para descansar, e, comendo um hot dog, apreciar o vaivém dos nova-iorquinos, o Rio Hudson e até o complexo do Rockefeller Center. Há trechos em que se caminha em meio a prédios, em uma total simbiose com a cidade.

No sul da ilha, em Lower Manhattan, vale a pena também explorar outros bairros descolados, como Tribeca (famoso por suas casas noturnas, lojas, restaurantes badalados e hotéis), Soho (que abriga importantes galerias de arte e lojas de marca), Village (sede da festa de Halloween mais famosa do país), Little Italy (que concentra os melhores cafés e restaurantes italianos de New York) e Chinatown, considerado o bairro mais popular do distrito e um pedaço da Ásia em plena Manhattan, com seus muitos restaurantes chineses, músicas típicas e letreiros em mandarim.

É ainda nessa região que estão localizados pontos turísticos mais recentes, relacionados a uma das maiores tragédias da história dos Estados Unidos. O passeio é bastante interessante, mas comovente. O Memorial do 11 de Setembro é uma homenagem às cerca de três mil vítimas do atentado que destruiu as torres gêmeas do World Trade Center, em de 11 de setembro de 2001.

No local funciona um museu, que reúne objetos que recontam esse triste acontecimento. Ali também fica um dos ícones mais atuais de Manhattan, o One World Trade Center, considerado pelos nova-iorquinos um símbolo do renascimento da cidade após o atentado.

Inaugurado em 2014, com cerca de 540 metros de altura é, atualmente, o edifício mais alto do Ocidente. O prédio impacta pela altura, beleza e pelo que representa: é difícil não se emocionar durante a visita. O mirante principal fica a 381 metros de altura, entre o 100º e o 102º andares. Vale a pena conferir, do alto, a vista da própria Manhathan, do Brooklyn e de Nova Jersey.

É também no sul da ilha que os visitantes podem ter acesso ao cartão-postal de New York: a imponente Estátua da Liberdade.

O monumento fica em outra ilha, na Liberty Island e, para chegar lá, é necessário pegar uma balsa, que sai do Battery Park. Inaugurada em 1886, é de inestimado valor cultural e histórico e, por isso, considerada Patrimônio da Humanidade pela Unesco desde 1984. O indicado é subir ao pedestal da estátua ou até a sua coroa para garantir uma vista impressionante da região, além de ser possível observar mais de perto seus detalhes.

Esta é uma pequena parte entre as centenas de outras atrações que estão à espera daqueles que querem se render aos encantos da capital cultural do mundo: dinâmica, vintage, transformadora, moderna, multicultural e arrebatadora. 

Assim é New York, a cidade que nunca dorme! É ou não é para se encantar?
Tudo isso espera por você. Desfrute com a Urbi et Orbi no nosso Monte a sua Viagem!

 

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma Resposta

Seu e-mail não será publicado.