Safári na África do Sul: Tudo que você precisa saber

Depois de lutar por anos contra uma política segregacionista racial, a África do Sul se apresenta hoje como um dos principais destinos turísticos do mundo.

A principal atração é o safári. Fazer um safári na África do Sul será uma experiência diferente das que você já teve em zoológicos, ainda que sejam em um zoológico com animais soltos.

Descubra os safari na África do Sul

No safári, há um misto de admiração e medo. É possível ficar a poucos passos dos grandes predadores em um local onde a lei da sobrevivência rege tudo. Ver um leão deitado e, no instante seguinte vê-lo caçando é de arrepiar.

O safári fotográfico na África do Sul é, atualmente, o mais comum. Um dos lugares mais famosos é o Pillanesberg National Park. Estima-se que o parque conte com mais ou menos sete mil espécies de animais. Lá é possível se encontrar os chamados big five que são: o leopardo, o rinoceronte, o búfalo africano, o elefante e, claro, o leão. O termo big five se origina na referência aos animais mais difíceis de serem caçados pelo homem.

Tipos de Safári

Como já falamos, há o safári fotográfico. Mas existem outros tipos. É possível fazer um safari de carro de passeio fechado, o chamado self drive. Só que, nesse passeio, não se pode sair das estradas já demarcadas e, nem sempre, os animais estão à beira delas. Não é o tipo mais aconselhável.

Safari na África

Há também o safári a pé e o de bicicleta, ambos feitos por guias. A distância dos animais é enorme e não dá para ver muita coisa. No safári de carro grande com o guia, muitas vezes os animais ficam a um metro de distância dos carros.

Em qualquer tipo de safári, o seu comportamento deve ser o mesmo: evite falar alto e também se mexer muito. Assim, você passa desapercebido. Por mais que os animais vejam o jipe como um grande animal e não como um veículo com várias pessoas, é bom não facilitar.

Os guias levam sempre espingardas carregadas, mas é claro que você não vai querer que nenhum tiro (ainda que tranquilizante) seja disparado, certo?

Quem é quem no Safári

No safári, têm duas pessoas muito importantes: o motorista, conhecido como ranger, e o tracker. O tracker é quem se senta na frente do carro e fica procurando pistas como pegadas ou fezes para saber onde estão os animais. Ambos são profundos conhecedores da vegetação e da vida animal da região. Nesse passeio é possível aprender coisas que nem sempre são contadas no Discovery Channel.

Safari na Africa

Uma coisa para se ter em mente ao se fazer um safári é que é bem diferente de ir ao Jardim Zoológico. Por mais que o zoológico tenha amplos espaços, você sabe que o animal estará ali, quase que à sua disposição. No safári, as coisas são um pouco diferentes.

Os animais estão em seu habitat natural. Eles dormem e, às vezes, se recolhem em lugares um pouco mais longe da trilha feita pelo tracker. Então, caso você não aviste um leão em plena caça, não tenha nenhum desapontamento. Tente dar valor a todos os outros animais que serão vistos.

Os Safáris mais famosos

O ideal para ir a um safári é escolher um dos parques nacionais. Há dois parques bem conhecidos. Um deles é o Pilannesberg Park. Ele fica perto de Joanesburgo e de também de Sun City.

O Pilannesberg Park é uma cratera de um vulcão extinto a cerca de seis mil anos. Lá, “os cinco grandes” estão presentes de forma majestosa. O percurso saindo de Joanesburgo dura duas horas e meia. Para quem está em Sun City, é bem rapidinho: só vinte minutos.

Conheça o Pilannesberg Park

O outro parque obrigatório para quem vai à África do Sul é o Parque Nacional Kruger. Este é o maior parque do norte do país. Lá, há várias opções de safáris. Eles podem durar entre duas e três horas. Então, prepare-se!

Descubra o Parque Nacional Kruger

O que levar num Safári

A primeira coisa a fazer é checar se a câmera do celular está boa. Se estiver, perfeito. Item um pronto! Caso você queira, leve uma câmera profissional. Com certeza, as fotos valerão a pena.

O filtro solar é um item indispensável. Apesar de a maioria dos safáris ser feita bem cedo ou no final do dia, hora que o sol dá uma trégua, é bom se preparar. Passar o filtro solar no hotel antes de sair é obrigatório. Uma boa dica é leva-lo para dar um reforço durante o passeio.

Na sua mala, dê preferência para roupas de cores neutras. A explicação é simples: com uma roupa cáqui, você fica num tom mais próximo ao da natureza. Coloque sempre roupas leves, de tecidos naturais como o algodão.

Boné e chapéu também têm que estar presentes na bagagem. Apesar do tempo ser, quase sempre, quente, é bom levar um casaco. Pode ser que você sinta um friozinho de manhã cedo. Os binóculos são muito úteis para ver os animais que não estão tão perto da trilha.

ACOMODAÇÕES

Visitar a África do Sul e perder a oportunidade de se ter um contato mais próximo com os animais é impensável. Por isso, o ideal é ficar nos chamados lodges. Os lodges são hotéis que, muitas vezes, ficam dentro de reservas florestais. É possível se ver vários animais lá.

Lodge

Há diversos tipos de logdes para todo os gostos e bolsos. As acomodações são sempre confortáveis. Se você optar por ficar em um hotel com muitas comodidades, não deixe de aproveitar cada uma delas. Uma ótima pedida é tomar um drinque nas espreguiçadeiras no jardim com a sombra das palmeiras. O mergulho na piscina também não pode faltar para dar uma refrescada.

Época para viajar

Nos parques nacionais da África do Sul, durante todo o ano há possibilidade de se ver animais. Contudo, durante os meses de seca que são no outono e no inverno, a vegetação mais rala e mais baixa.

Com as plantas mais ralas, fica mais fácil ver os animais caçando ou mesmo na sua procura por água. Durante o verão, de novembro a março, há maior probabilidade de chuvas. Contudo, isso não invalida o safári, não. As chuvas são rapidinhas e são ótimas para dar uma pausa do calor. Normalmente, os jipes têm uma lona que é colocada se chover. De qualquer maneira, a dica é você levar a sua própria capa de chuva e aí é só apreciar os animais que passarão por você.

A África do Sul é destino turístico riquíssimo. É uma país que oferece uma natureza deslumbrante: são montanhas, praias, platôs e um vegetação de tirar o fôlego.

Ir a um safári é uma experiência que deve ser vivida ao menos uma vez na vida. A proximidade dos animais, vê-los em seu habitat é algo de uma emoção incomparável.

A Urbi et Orbi leva você até lá. Clique aqui e veja como programar a sua próxima viagem. Aí é só arrumar as malas e se preparar para ver a toda majestade do Rei das Selvas pessoalmente!

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma Resposta

Seu e-mail não será publicado.